Blog

Como o coworking auxilia a cidade, os negócios e o seu bem-estar

O coworking está em expansão, permitindo que cada vez mais “coworkers” desfrutem de todos os seus benefícios

Antes, compartilhar o espaço de trabalho com outras pessoas e até mesmo com outras empresas parecia um risco para a produtividade, a privacidade e a seriedade dos seus negócios. No entanto, quando os coworkings começaram a existir, se percebeu que rotinas de trabalho colaborativas podem impactar positivamente toda uma cadeia.

O primeiro espaço compartilhado surgiu em 2005, quando um engenheiro criou uma comunidade de trabalho com seus amigos nos Estados Unidos. No Brasil, esse ambiente começou a aparecer em 2009 e, atualmente, são 810 coworkings conhecidos no país, de acordo com o Censo Coworking Brasil 2017. No mundo todo, são quase 14 mil escritórios como esse.

O dinamismo é a principal característica de um escritório compartilhado. Nele, é possível multiplicar ideias, contatos e novos negócios, participar de eventos formais e informais e exercer o espírito de colaboração, essencial para a nova economia. Devido a essas características, a quantidade de coworkings no país dobrou entre 2016 e 2017, ainda segundo o mesmo Censo que mede a adoção do modelo de escritórios compartilhados.

Embora cada espaço ofereça possibilidades únicas de contratação, na prática, o modelo funciona assim: a empresa, o empreendedor, o freelancer ou quem mais deseja utilizar o local paga uma taxa – que varia de acordo com o tamanho do negócio – e passa a compartilhar serviços de infraestrutura com mais empresas. Em média, são 267 pessoas circulando no local todo mês.

Inicialmente, os escritórios compartilhados foram ocupados por startups de tecnologia e empresas ou freelancers ligados à indústria criativa (agências de publicidade, comunicação e marketing, por exemplo). Agora, o mercado já possui nichos de todos os tipos, inclusive opções para ONGs, advogados, dentistas e empresas que precisam acomodar um estoque de produtos.

Esse novo jeito de trabalhar não está oferecendo benefícios apenas aos founders, ou seja, aos donos do coworking, mas também aos negócios ali instalados, aos colaboradores que frequentam o local e ao desenvolvimento da própria cidade, criando um ambiente muito mais colaborativo, sustentável e inovador. Conheça a seguir esses novos impactos:

O coworking é econômico

Atualmente, o valor do coworking gira em torno de R$ 800 por pessoa ao mês, e dá direito a toda a infraestrutura necessária para uma empresa funcionar. São Paulo é a segunda cidade com imóveis comerciais mais caros do país, segundo pesquisa FipeZap: o metro quadrado para aluguel custa R$ 48 e R$ 10.808 para venda. Ou seja: com o valor médio da locação de um lugar no coworking, você poderia alugar um espaço de 16 metros quadrados, o equivalente a um quarto grande, e completamente vazio.

Ótima infraestrutura

Em um escritório compartilhado, você vai encontrar incluso toda a infraestrutura que um negócio precisa para se desenvolver. Serviços como internet, recepção, motoboy, endereço postal e área de convivência são divididos com outras empresas. Além disso, é possível alugar uma sala privada, onde funcionará apenas a sua empresa, mas, se você não precisar de tanta privacidade, pode locar apenas uma mesa eventualmente. As salas de reuniões, equipadas para receber os parceiros comerciais, também podem ser utilizadas pelos coworkers ou locada apenas para uma reunião pontual. 31% deles já têm acesso 24 horas por dia, para que você possa utilizar as comodidades no momento mais oportuno e produtivo.

Eles estão em todo lugar

Só na cidade de São Paulo, são mais de 200 espaços de trabalho compartilhados. Embora 61% deles fiquem localizados em uma zona tradicionalmente comercial, onde a diversidade e a densidade de pessoas são mais altas, 34% estão instalados em locais pouco convencionais, até mesmo em bairros residenciais. Isso quer dizer que você pode se deslocar facilmente para o trabalho, pois corredores de acesso e transporte público são mais acessíveis nas áreas centrais da cidade, ou então, economizar no transporte, ter mais tempo livre e diminuir o estresse ao caminhar até o local, contribuindo ainda para a redução de gases tóxicos causados pelos carros.

Um escritório compartilhado amplia sua rede de contatos

A criação e a manutenção de círculos sociais profissionais permitem interações que podem render bons frutos, e o coworking contribui para isso, pois nele estão profissionais de diversas áreas atuando em um espaço diverso onde oportunidades podem surgir a qualquer momento. Se você frequenta diariamente o espaço, simples conversas com seu “vizinho” acabam rendendo inovações, parcerias e novos negócios. Além disso, ambientes e colegas de trabalho saudáveis e positivos ajudam você a se tornar um profissional mais produtivo, proativo e criativo.

É para todos

Com o sucesso dos ambientes compartilhados, começaram a surgir opções que atendem a diferentes necessidades dos trabalhadores. São espaços acessíveis para cadeirantes, que permitem a presença de animais e que são adequados para as mães deixarem seus filhos próximos enquanto trabalham, por exemplo. O coworking pode atender também profissionais de empresas tradicionais e grandes negócios: é comum que uma parte da operação seja alocada em um coworking ou que colaboradores sejam enviados para um período de imersão com o objetivo de levar para dentro da empresa uma cultura mais colaborativa e inovadora.

Ele fomenta a economia local

Junto ao desenvolvimento do espaço e de seus frequentadores, é possível que outros negócios comecem a surgir, estimulando a economia local e beneficiando muitos outros trabalhadores envolvidos indiretamente com o coworking. Cafeterias e lanchonetes dentro ou no entorno do escritório compartilhado são praticamente obrigatórios para uma pausa ou uma refeição rápida. Entretanto, também podem surgir restaurantes, academias, papelarias, escolas de idiomas e outros estabelecimentos para facilitar a vida de quem trabalha nas redondezas.

Coworking Day – Um momento de dedicação

Inspirado pela série “Coisas que todo dono de coworking gostaria que você soubesse” escrita pela Laura Gurgel fundadora do Clube de negócios, é minha vez de escrever sobre curiosidades, fatos e memórias desde que abri a Blocktime Coworking.

Uma das datas mais importantes do mundo coworking se aproxima e ela não é importante por qualquer motivo. No dia 09/08 é comemorado o Coworking Day, quando um louco resolveu dar nome e juntar seus amigos para trabalharem sobre um mesmo teto. Esse louco foi Brad Neuberg que em 2005 fundou o primeiro espaço de coworking do mundo, de lá até hoje já são milhares de espaços e milhões de estações de trabalho.
 
Nove anos após o primeiro coworking ter surgido, tinha chegado a nossa vez de entrar pra esse mundo e celebrar junto com todo mundo. Nos dedicamos tanto no preparo para esse dia, que ele nos rendeu nossa primeira aparição na mídia, e como o ditado já diz, a primeira vez a gente nunca esquece. Não tinhamos verba nenhuma para fazer um evento fora de série, mas abusamos do princípio do coworking que é o networking para trazer um monte de gente legal e abrir nossas portas para a comunidade. Era início da febre dos Foodtrucks em São Paulo e conseguimos a presença da Kombosa Shake, junto com seu fundador que contou como foi o processo de criação da marca e das bebidas. Tivemos também oficina de fotografia, tecnologia, ginastica laboral e como cereja do bolo, uma banda ao vivo. Foram dois dias de evento com casa cheia e um resultado super gratificante após o evento o movimento da casa mais de duplicou e chegamos a ficar lotados em menos de 30 dias após o evento. 
 
Um fato curioso sobre esse primeiro Coworking Day, foi ele ter trazido a empresa TNVG para nosso QG. Além de super terem se identificado com a casa, trazendo sua própria coleção da Mulher-Maravilha para decorar a própria sala, eles continuam por aqui e vão comemorar 3 anos de casa no Coworking Day deste ano.  
 
Todos os eventos que fizemos por aqui nos ensinaram algumas coisas, mas o Cowoking Day em específico nos mostrou que o coworking é muito maior do que mesa, cadeira e paredes. Coworking não tem barreiras físicas, e quando juntamos pessoas incríveis dentro de um mesmo local as fronteiras desaparecem por completo. 
 
Aproveite que agosto chegou e planeje seu Coworking Day: se for um espaço, pense tanto em quem está chegando, quanto em quem já está no espaço. Pois sem eles o seu coworking não teria vida. Se você é um futuro coworker, vá de coração e mente aberta para aprender tudo que puder nesse dia. Nem sempre acertamos o espaço ideal de primeira, mas toda experiência é bem vinda!

Deixo para o fim um convite de coração, venha participar do nosso Coworking Day 2017,  você pode trabalhar por um dia aqui na casa sem custo algum, participar de um super Bate-Papo sobre o futuro do trabalho e no fim da semana curtir junto com a gente o nosso Super Happy Hour.

Blocktime Coworking – da ideia ao QG

Sejam bem-vindos ao Blog do nosso QG. Quem vos fala é uma das várias cabeças pensantes por trás deste Coworking: sou João Marcos, praticamente formado em arquitetura e sempre tive um pé fora da caixa. A partir de agora temos mais um canal para nos comunicar, assim como quem mais se interessar em escrever para este Blog.

A primeira história tem um carinho especial, pois conta como tudo começou e nosso primeiro ano, o que nos leva a uma pequena viagem no tempo até 2013. Espero que gostem e venha nos visitar. As portas deste QG estão sempre abertas a novos heróis.
Desde a adolescência busco formas de ganhar um troco e conseguir meu próprio dinheiro. Já fiz muito bico, projetos técnicos e alguns freelas durante o ensino médio.
Aos 15 anos, entrei para os negócios da família e assim comecei atuar na Blocktime. Passei por várias funções, desde as básicas, como office boy e recepcionista, até atividades mais estratégicas, como pensar no marketing digital da empresa. Aprendi muita coisa, mas não me identificava; terno e gravata das 08h às 18h nunca foi o meu desejo! Precisava criar algo com a minha cara.
Como meu pai, mais conhecido como Guirau, sempre diz: “Primeiro arranje o problema, depois eu arranjo a solução.”
O problema apareceu. Era uma casa de família fechada há quase 10 anos, precisando de uma reforma. A princípio daríamos apenas um tapa e a casa já estaria apta para alugar. É claro que não foi isso que aconteceu!
Só nos sonhos de Alice para um tapa em uma casa dos anos 50 não se tornar um megaprojeto. Foi então, no auge dos meus 19 anos, que surgiu a oportunidade de criar um novo projeto.
Juntando a experiência familiar na área de escritório virtual e o objetivo de ter algo com a minha cara, sai pesquisando o que poderia fazer. Até que minha prima, Daniele Guirau, apresentou o conceito de Coworking. O fato de ter maior liberdade nos horários e poder trabalhar de bermuda, fez com que o conceito não saísse mais da minha cabeça! Nascia aqui a Blocktime Coworking.

Aproveitando minha formação em arquitetura, fui responsável por projetar a reforma e desenhar o layout dos novos espaços. O conceito era bem simples: conforto sem perder o estilo. Tive uma ajuda indispensável da super designer Joana Benevides, que foi responsável pela identidade visual, tanto na decoração, como na parte gráfica.


Desde o início das discussões, ficou bem claro para mim e para os sócios que esta deveria ser uma casa criativa. Apostamos em quadros brancos dispostos em todos os ambientes, como forma de garantir espaço para colocar as ideias em prática a qualquer momento. Pensando em uma decoração que soltasse a imaginação dos futuros usuários, chegamos ao conceito dos super-heróis. Pesquisando mais a respeito, descobrimos a ligação direta deles com empreendedorismo e iniciativas positivas que tinham tudo a ver com o que estávamos defendendo.

Do projeto a realidade foram 8 meses de reforma. Abrimos as portas para os primeiros clientes no dia 05/05/2014, na véspera da Copa do Mundo no Brasil. Um fato curioso é que a casa realmente só engrenou após aquele trágico 7 x 1. Dois dias depois, recebemos novos Coworkers, que compartilharam momentos inesquecíveis aqui na casa.
Era uma experiência muito nova e a casa foi se transformando em Coworking aos poucos. O projeto inicial foi sendo alterado, sempre com o intuito de receber mais heróis na casa. Foi assim que resolvemos juntar duas salas, (o Lounge com o Auditório), criando dois novos ambientes: a Bat Caverna, uma sala com versatilidade ao estilo Coringa; e a Sala Mulher Maravilha, dedicada a uma empresa. Parecia que estávamos adivinhando, pois na mesma semana que realizamos esta mudança, recebemos novos heróis para ocupá-la, (que por sinal continuam por aqui).


Conforme a casa foi ganhando movimento, tornou-se essencial montar um kit de boas-vindas, que passou a ser entregue a cada Coworker. Apesar de ser um ambiente leve e descontraído, alguns limites são necessários para não virar uma zona. Este kit é composto por um mapa da região, que contém os serviços disponíveis no bairro – como restaurantes, bancos, lojas, correios, cartório, etc; nosso gibi Heróis em Convívio, com algumas regras de convivência; lápis e caneta customizados.

No início de agosto de 2014 tivemos o primeiro grande evento da Blocktime: o Coworking Day. E, quem diria, ele ainda nos rendeu nossa primeira aparição na mídia; e sabe como é a primeira vez a gente nunca esquece (http://bit.ly/1iMoGcM). Foi tudo planejado com muito amor e carinho para receber e apresentar esse conceito que nos encantou desde o início! O resultado foi extraordinário pois conseguimos preencher 100% da casa algumas semanas após o evento. E ainda não tínhamos nem 1 ano de vida!


Com a casa cheia, novos hábitos foram sendo criados. Passamos a ter frutas diariamente, feitas pela nossa copeira Maria, mais conhecida como Super Mamãe, e o M&M da Blocktime, nada mais do que o mix de frutas – mamão e manga – que se tornou campeão de audiência. Os nossos happy hours foram ficando cada vez mais frequentes, sempre contando com a presença indispensável do karaokê como um quebra-gelo, cuja ideia veio de um de nossos primeiros Coworkers.
O primeiro ano foi celebrado em grande estilo, com a presença de todos nossos heróis num super café da manhã, que aconteceu no dia 05/05/2015 e foi feito especialmente para eles, pois sem eles nada do que aconteceu seria possível. Foi um ano de muito trabalho e dedicação de todos da equipe e membros para transformar o que um dia foi um sonho num projeto real e cheio de vida. O teste inicial estava validado, estávamos prontos para iniciar mais um ano de trabalho e novas histórias, que vão ficar para o próximo capítulo deste Blog.

© Copyright 2017 - Blocktime Coworking